Avançar para o conteúdo principal

É hora da decisão...

Acabei de receber um email da loteria britânica falando que meu email foi sorteado entre centenas de milhares de endereços e fui agraciado com o segundo lugar de um concurso patrocinado pela Microsoft.
 
O prêmio? 300 mil dólares!
 
Basta eu enviar um email com meu nome completo, endereço, país, idade, ocupação e dados bancários para o depósito.
 
É agora a minha chance de ser famoso!
 
Posso deletar esse email, ou então imprimir e fazer compras, comprar carros, casas, chocolates, viajar, me endividar... e depois perder tudo que tenho e ir morar na rua e devento até os cabelos porque isso era só mais um spam...

Ai o Fantástico me acha, eu conto minha história, faço cara de choro, alguém fica com dó e dá uma casinha para morar...
 
Aparecerei no Gugu e darei entrevista para a Luciana Gimenez... Cobrarei cachês, ficarei famoso quando for na padaria e, aos poucos, ficarei bem rico!!!
 
É... vou imprimir esse email!
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Telefônica 10 anos

Muito gostoso de ver o comercial comemorativo de 10 anos da Telefônica no Brasil. Tudo bem que as imagens são do banco de vídeo da Corbys e do Getty, mas a música "Can't Help Falling In Love" nessa roupagem está uma delícia de ouvir. Não sei se é jingle, não sei se é alguma gravação, enfim... Alguém da Play it Again ou da Publicis para decifrar pra mim? Agradeço muitíssimo e dou uma Paçoca Amor em retribuição.

O patinador Franco-Brasileiro em Sochi. Em Sochi?

Florent Amodio nasceu em Sobral, CE, e foi adotado por uma família francesa. Aconteceu dele ter virado um dos melhores patinadores da temporada. Nos últimos dias tem rodado por aí um vídeo de uma série dele ao som do  Eu quero tchu, eu quero tcha , do Gustavo Lima. Acontece que, diferentemente do que quase todo mundo está postando e comentando, isso nao foi em Sochi.  Aquela apresentação foi na Suíça, em fevereiro do ano passado.  Em Sochi, a música escolhida por ele foi La Cumparsita. Um tango, talvez o mais famoso deles.  Na nossa carência de heróis, estamos terceirizando.