Avançar para o conteúdo principal

Comédia Stand-Up

Se antigamente as febres do momento era ter um pogobol, bambolê ou conga, agora a febre é querer ser comediante stand-up.

A stand-up comedy já existia há anos no Brasil. Há uns 5 anos eu ia muitas vezes no Bar Beverly Hills em Moema que fazia (faz) apresentações de esquetes.

Mas de 2 anos pra cá, virou um boom! Uns são ótimos, outros são constrangedores.

Sábado fui ver a apresentação do Rafinha Bastos, no teatro Frei Caneca. Às 23h59. A Arte do Insulto.

O teatro (de 620 lugares) estava lotado. Muita gente!

Preço do ingresso inteiro: R$ 50,00!

Na apresentação, Rafinha fala por 1 hora. Piadas super batidas como a do cacetinho e do pão francês. Conta algumas coisas meio engraçadas, mas nenhuma grande sacada. Brasileiro ri quando alguém fala um palavrão no microfone.

Agora vamos fazer uma contas...

Comédia Stand-up é comédia em pé. De cara limpa.

Tinha um microfone e um banquinho. Só.

Não tinha cenário, não tinha figurino, não tinha vídeo, não tinha outros atores, não tinha nada!

Porque cobrar R$ 50,00 ?????

Perderam a noção dos preços.

Pra ter idéia, semana retrasada fui ver "Até que o casamento nos separe" com dois bons atores: Cris Nicolotti (a do "vai tomar no cú" e do ShopTour) e Eduardo Martini (recentemente fez Som & Fúria).

O preço? R$ 20,00. Preço inteiro. Estudante pagava R$ 10,00. No Teatro Folha.

Tinha cenário, tinha figurino, tinha objetos de palco, tinha produção, tinha roteiro, tinha iluminação especial pra cada momento. E durava 2 horas!

E é MUITO mais engraçado!!!

Quer uma dica?? Pega o dinheiro que vc ia gastar pra ver o Rafinha e saia pra jantar ou pra conversar com um amigo.

Garanto que você vai rir e se divertir muito mais!

 

PS: E, particularmente, não entendo pq falar tanto que é judeu. Qualquer piadinha, ele enfia que é judeu! E isso é coisa super recente, pq o acompanhava há muito e muitos anos... desde os tempos da Pagina do Rafinha e da AllTV...

Falar que é judeu em qualquer ocasião é engraçado ou é a maneira mais fácil de se parecer com o Seinfeld?

Ele quer ser conhecido como um Seinfeld brasileiro?

Comentários

ana - soda disse…
Brasileiro é foda, né? Acha que fazer coisa moderna e aparecer na TV são motivos suficientes pra enfiar a faca no preço do ingresso.
Ele veio aqui pra são joão, lotado de gente... e o ingresso tb era cinquentinha... mas todo mundo saiu falando mal, tenho certeza q pra ca ele n volta tão cedo!
(eu n fui ver, pq me recuso...)
E qto ao povo rir, eu ja me acostumei.. as pessoas q vão nesses tipos de espetaculos, vão só pq ta na moda e é hipe estar na fila fazendo carão.... não gostam e não sabem o que é teatro de verdade, logo não tem parametros pra comparar nada!. e ver ali o moço contando aquela piada suja que só seu tio gordo contava nas reuniões de domingo, lógico q é engraçado... rs
enfim!
né?
tristeza....

Mensagens populares deste blogue

Telefônica 10 anos

Muito gostoso de ver o comercial comemorativo de 10 anos da Telefônica no Brasil. Tudo bem que as imagens são do banco de vídeo da Corbys e do Getty, mas a música "Can't Help Falling In Love" nessa roupagem está uma delícia de ouvir. Não sei se é jingle, não sei se é alguma gravação, enfim... Alguém da Play it Again ou da Publicis para decifrar pra mim? Agradeço muitíssimo e dou uma Paçoca Amor em retribuição.

O patinador Franco-Brasileiro em Sochi. Em Sochi?

Florent Amodio nasceu em Sobral, CE, e foi adotado por uma família francesa. Aconteceu dele ter virado um dos melhores patinadores da temporada. Nos últimos dias tem rodado por aí um vídeo de uma série dele ao som do  Eu quero tchu, eu quero tcha , do Gustavo Lima. Acontece que, diferentemente do que quase todo mundo está postando e comentando, isso nao foi em Sochi.  Aquela apresentação foi na Suíça, em fevereiro do ano passado.  Em Sochi, a música escolhida por ele foi La Cumparsita. Um tango, talvez o mais famoso deles.  Na nossa carência de heróis, estamos terceirizando.